SRS Passos chama atenção para tuberculose

A Superintendência Regional de Saúde de Passos (SRS Passos), por meio do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NUVEPI), chama a atenção da população e das autoridades de saúde para o Dia Mundial da Tuberculose, que foi comemorado em 24 de março. O objetivo da data é conscientizar sobre o impacto da doença na sociedade nos aspectos de saúde, sociais e econômicos.

                Segundo a referência técnica em tuberculose do Nuvepi /SRS Passos, Maria Ambrosina Cardoso Maia, o Dia Mundial da Tuberculose foi instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o objetivo de ampliar as informações sobre a doença e incentivar as pessoas a procurarem pelos serviços de saúde na eminência de identificarem seus sinais e sintomas. Além disso, a ação pontual visa mobilizar os profissionais de saúde para realizarem a busca ativa de casos novos, realização de exames e difundir a necessidade e possibilidade do tratamento proporcionado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“É importante destacar que a tuberculose tem cura quando o tratamento é feito de forma adequada e oportuna. Com o início do tratamento, a transmissão tende a diminuir gradativamente e, em geral, após quinze dias, ela é bastante reduzida”, ressalta.

Neste mês, Maria Ambrosina participou do III Workshop para o Controle da Tuberculose em Minas Gerais realizado pela Coordenação Estadual de Tuberculose e Tracoma da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). O evento ocorreu pela internet e foi voltado para as referências técnicas da doença na Vigilância Epidemiológica, com participações de técnicos do Ministério da Saúde.

“O workshop apresentou um panorama epidemiológico do Brasil e de Minas Gerais e trouxe atualizações e propostas de novas estratégias de combate à tuberculose”, disse a referência técnica.

Dados epidemiológicos

A tuberculose é uma das enfermidades mais antigas do mundo, mas não pode ser considerada uma doença do passado como muitos imaginam. Todos os dias no mundo, quase quatro mil pessoas perdem a vida e cerca de 28 mil adoecem com esta doença, apesar dela ser evitável e curável.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2019, o Brasil registrou 77,4 mil casos novos de tuberculose e 4,5 mil mortes, o que a coloca como a quarta causa de mortes por doenças infecciosas. Em Minas Gerais neste mesmo ano foram registrados 4.574 casos. Na área da SRS Passos foram notificados 78 casos em 2018; 116 casos em 2019 e 96 casos em 2020.

Segundo Maria Ambrosina, devido a esse contexto de casos, os profissionais de saúde e a sociedade devem ter especial atenção com a tuberculose, pois, “apesar de já existirem recursos tecnológicos capazes de facilitar sua detecção e tratamento para promover seu controle, ainda não há perspectiva de obter-se seu controle em um futuro próximo”.

O que é a tuberculose

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível, causada pela bactéria mais conhecida como bacilo de Koch. A doença afeta os pulmões, mas pode acometer outros órgãos e/ou sistemas.

O principal sintoma da tuberculose pulmonar é a tosse, que pode ser seca ou com catarro, acompanhada de febre, sudorese noturna e emagrecimento. Se esses sintomas durarem três ou mais semanas devem ser investigados como tuberculose.

O primeiro passo é procurar os serviços de saúde mais próximos de casa, para avaliação médica e realização do exame pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em caso de resultado positivo para tuberculose, será iniciado o tratamento, que é ambulatorial com duração de seis meses.

Dia Mundial

Para o Dia Mundial da Tuberculose de 2021, a OMS escolheu o tema “O tempo está passando”, um apelo ao maior comprometimento com ações preventivas, diagnóstico, tratamento e incentivo à pesquisa para o controle da doença até o ano de 2030.

Esse comprometimento deve ser mantido até mesmo durante a pandemia do novo coronavírus, para que as autoridades e profissionais não se descuidem do tratamento dos pacientes com tuberculose, que, com a covid-19, têm o risco de morte aumentado. “Enquanto enfrentamos a covid-19, não devemos “baixar a guarda” contra a tuberculose. Precisamos identificar e tratar todos os casos para prevenirmos mortes”, adverte Maria Ambrosina Cardoso Maia, referência técnica em tuberculose do Nuvepi/ SRS Passos.

Assessoria de Comunicação Social

Superintendência Regional de Saúde de Passos

Deixe uma resposta